201611.05
0
0

Governança corporativa cheia de dúvidas

Confira algumas boas práticas da governança corporativa para que ela seja aplicada corretamente em sua empresa

Quem não as tem, principalmente quando se trata da aplicação de um tema como este – governança corporativa? Mas adianto: ainda não existem todas as respostas.
Por quê? Porque não há modelo único, uniforme, um chinelo de conforto que caiba em todos os pés de todos os tipos de sociedades. E mesmo que se estabeleça um modelo para determinado ambiente, ele precisa ser revisitado periodicamente, avaliado periodicamente, testado periodicamente. Nada é definitivo, tudo pode ser melhorado e adaptado a novos desafios ou crises, a novos tempos. Não só isso. Como saber se está dando certo? Pela prática constante do programa escolhido. Governança corporativa é isto: prática, comportamento adequado aos fins e propósitos da sociedade, tenha ela finalidade lucrativa ou não, seja de capital aberto ou fechado, seja pública ou privada e por aí vai. Governança precisa ser efetiva, precisa ter efetividade. Nos últimos anos se notou um crescente interesse pela matéria e se notou, também, uma tendência de divulgação de manuais ou códigos de governança corporativa em sites de sociedades. Pergunta que não quer calar: o que está lá escrito é praticado? É praticado desde o topo? A cultura da governança é difundida no ambiente da sociedade por meio de treinamentos? Todos os colaboradores estão envolvidos? Se a resposta for negativa, o que está escrito pode até emocionar, mas não há governança na prática. Nem só de manuais vive o homem e muito menos a sociedade que ele administra. Por isso, a prática da governança precisa de algumas ferramentas, tais como um código de condutas e um canal de denúncias acompanhado de um sistema efetivo de apuração de todas elas; uma área de compliance e uma constante verificação de conformidades alinhadas com a sociedade e o seu entorno; processos constantes de avaliação de riscos atrelados a cada tipo de atividade; processos decisórios bem instruídos e registrados.  Aliás, registros são fundamentais. A informalidade é inimiga da boa governança (se é que se pode admitir a má governança).

[fbcomments]